ago 10, 2016

Exportação de artesanato

Exportacao de Artesanato

O artesanato brasileiro é muito rico e tem ganhado o mundo. E não é apenas pela arte de cada região do Brasil que ele tem chamado a atenção, mas pela qualidade e a criatividade dos artesãos que se dedicam em sempre manter as tradições de seu povo, através de pesquisas, no retrato da alegria e espontaneidade tão inerentes ao brasileiro. Exportar não é mais uma coisa inatingível, está em suas mãos.

Como forma de ampliar os negócios, a exportação é uma ótima estratégia. Mas antes de tomar qualquer decisão é necessário um planejamento consistente para conhecer o mercado em que se pretende ingressar.

Primeiramente, conheça o seu futuro consumidor. É interessante conversar com o importador para conhecer melhor o seu país e a cultura do consumidor em potencial. O produto deve ser compatível com as exigências desse mercado consumidor que muitas vezes não são semelhantes às do mercado brasileiro.

Antes mesmo da produção do produto, é imprescindível se pensar sobre a rotina administrativa de exportação. Há regras que devem ser consideradas, como as limitações de produtos e barreiras alfandegárias no estrangeiro.

Para levar seu artesanato ao exterior é importante conhecer os vários caminhos que podem ser percorridos, como parcerias, ONGs, cooperativas, associações, consórcios de exportação que dão o suporte necessário, amparo e contatos importantes para o desenvolvimento dos negócios.
Faça da pesquisa de mercado a sua aliada, pois assim o empreendedor poderá saber se o produto terá sucesso no mercado almejado. Há empresas que oferecem esse tipo de serviço ou se preferir, pode ser feito pela própria pessoa.

As informações são a porta de entrada para o empreendedorismo bem-sucedido. As métricas, estatísticas, a identificação do perfil consumidor, tratamento tarifado, quais são os acordos comerciais entre o Brasil e o país final, quais são as normas técnicas e legislativas para o produto ser comercializado são algumas opções de questionário.

Agora, prepara-se para ganhar o mundo e levar o melhor do artesanato brasileiro a terras estrangeiras.

mar 9, 2016

Sucesso na década de 90, revista do Clube de Artesanato está de volta

Revista Clube de Artesanato

Publicação apresenta uma infinidade de sugestões, passo-a-passos e tendências para quem quer se aperfeiçoar e fazer artesanato como hobby, terapia ou complemento de renda

Nova Odessa, XX de fevereiro de 2016 – A ‘Revista do Clube de Artesanato’, publicação que foi sucesso absoluto na década de 90, com mais de três milhões de exemplares distribuídos em todo o país, está de volta e apresenta conteúdos ainda mais estimulantes, matérias sobre as principais tendências do mercado, passo-a-passos de peças feitas com fitas de cetim e muitas sugestões para quem quer fazer artesanato como hobby, terapia ou complemento de renda.

“Nos últimos meses, vimos algumas publicações fechando as portas ou transformando as versões impressas em online. A ‘Revista do Clube de Artesanato’ vem na contramão deste cenário justamente para atender a demanda de um público que não abre mão do ‘papel’. Esperamos levar ainda mais conhecimento e aperfeiçoamento aos admiradores das artes em geral, principalmente num período de fragilidade econômica em que o trabalho informal ganha força por meio do artesanato”, comenta Lucas Ferreira, gestor de marketing da PH FIT, detentora da marca Fitas Progresso e idealizadora do Clube de Artesanato.

Quem comprar a revista em banca ou nas lojas especializadas em produtos de artes e artesanato terá acesso a uma área exclusiva do site do Clube de Artesanato. “Essa nova área, criada especialmente para os leitores da publicação impressa, incrementa ainda mais nossa comunidade, que já funciona como uma vitrine para artistas, artesãs e decoradoras, que podem expor gratuitamente seus trabalhos, tornarem-se conhecidas e divulgarem suas criações”, finaliza Ferreira.

Criada em parceria com a publisher Marie Caroline Amiach e publicada pela Editora Minuano, a nova ‘Revista do Clube de Artesanato’ terá quatro edições em 2016, cada uma com dez passo-a-passos, sugestões dos curadores do Clube de Artesanato, as principais novidades em fitas para a produção de peças artesanais e ainda uma lista de lojas credenciadas.

A edição de fevereiro já está nas bancas. Já o site do Clube de Artesanato, pode ser acessado a qualquer momento e de qualquer lugar, e continua sendo o ponto de encontro de artistas, artesãs, decoradoras, lojistas e todas as pessoas que gostam e fazem artesanato com fitas.

mar 9, 2016

Blog PH FIT – O Design thinking na embalagem

O Design thinking na embalagem

A embalagem é um importante canal de comunicação entre a marca e o consumidor, pois é na prateleira que o cliente decide pela escolha do produto, influenciado pelo poder de persuasão que a mesma proporciona. Um conceito que alterou o modo de enxergar a embalagem e toda sua influência no ato da compra foi o design thinking.

Pense como um designer, pense em design thinking

O que difere em ser um designer e pensar como um? Simples: a diferença para seus negócios postos em práticas com o conceito de design thinking. Esse termo foi popularizado pelo CEO da Ideo, Tim Brow, em seu livro: “Design Thinking – Inovação em Negócios”, que define essa atitude como forma de integrar-se a todos os fatores que envolvem a criação, ou seja, deve-se pensar além da estética de produtos e serviços enquanto um tipo de conhecimento, e passar a agregar aos produtos outros valores e soluções para vida das pessoas. Todos devem pensar como designer de maneira inovadora para solucionar problemas nas empresas ou na vida.

Pensar diferente – navegar na criatividade

Pensar fora do padrão é uma exigência para o conceito de design thinking, que almeja ampliar os horizontes das possibilidades com soluções mais criativas, fora dos conceitos tradicionais, inclusive na formação da equipe, que deve ter as mais diferentes qualificações. Essa definição vai além da parte artística e também se integra à administração das empresas, por exemplo. As pessoas se cansaram da filosofia vertical que impõe a ordem, e hoje é buscada uma forma mais ampla que seja corporativa e ao mesmo tempo contemple e represente mais o consumidor.
As embalagens como porta-vozes da marca são diretamente atingidas por essa nova filosofia. Enxergar a totalidade é a missão do design thinking, que visa as experiências em diversos níveis como base de trabalho. São pesquisas e buscas de novas possibilidades para os antigos problemas através de um novo conjunto de práticas e processos, por meio de obtenção de informações, tentativas, análises e soluções cabíveis. O decorrer do processo é a não horizontalização, atribuindo significados e valores às embalagens ou produtos e proporcionando novas experiências ao consumidor.

O foco em um projeto de design thinking é a interdisciplinaridade, que eleva a marca a outro patamar, transformando o conceito num ato mais inteligente, ou seja, em algo devidamente pensado, transmitindo experiência ao consumidor e as devidas sensações que ela provoca. A observação humana gera insights quanto às necessidades e desejos das pessoas, através dos produtos ou serviços multidisciplinares, unindo mercados que anteriormente não eram possíveis. As embalagens conseguem traduzir as exigências da vida do consumidor contemporâneo, levando soluções práticas, inteligentes e que despertem sensações, afinal, a embalagem é uma parte do produto.

As embalagens vão além da descrição do produto: elas promovem uma experiência e elevam a expectativas no consumidor, que procura um algo a mais. Elas são partes integrantes da comunicação da empresa ou marca e transmitem os seus valores, ideais e posturas de uma forma criativa e revolucionária.

Referências:

Sala 7 Design – http://sala7design.com.br/2016/01/o-que-e-design-thinking.html

mar 9, 2016

O artesanato como ressignificação do trabalho

O significado do trabalho

Uma atividade tão antiga como o artesanato tem obtido uma ressignificação e tem sido um incentivo econômico para uma grande parcela de pessoas hoje em dia. O artesanato é uma alternativa de trabalho que tem ganhado fôlego com iniciativas como Programa de Artesanato do Brasil (PAB) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) a partir do objetivo de transformar a produção artesanal brasileira em geradora de empregos e renda formal.

O artesanato como ressignificação do trabalho

O trabalho, como qualquer atividade humana, é uma atividade carregada de significados que impactam na construção de identidades e papéis, e na redefinição na ordem da vida. Ao longo da história, palavra trabalho ganhou vários sinônimos e associações, tanto positivos quanto negativos, e diferentes aspectos sociais. Com a modernidade, o trabalho virou o centro das atividades, passando a possuir um valor e a movimentar um mundo inteiro. Na sociedade atual, há um movimento de redefinir novas relações de trabalhos, como a volta das atividades artesanais, que possui um significado relacionado à criatividade e à economia.

O trabalho artesanal na Crise

O trabalho artesanal contemporâneo não é apenas mais um trabalho, e sim um trabalho que envolve criatividade, cultura e aspectos que determinam a sociedade, que rompe com o pensamento capitalista que desassocia o saber do fazer, o trabalho manual do intelectual e valoriza a produção personalizada. O artesanato é um agente de inclusão que insere várias pessoas que vivem à margem do mercado produtor, contribuindo para o aumento da renda e empregos.

Com a baixa da economia e a crescente insegurança, muitas pessoas têm visto o artesanato como forma de aumento da renda familiar. Os produtos criados artesanalmente têm também chamado a atenção dos consumidores, que têm procurado esses artigos como forma de entregar um presente mais pessoal e economizar nas despesas mensais, uma alternativa que substitui muitos artigos industrializados, por exemplo.
Há, portanto, uma valorização do artigo feito à mão, que possui um preço às vezes menor e uma qualidade maior. O consumidor contemporâneo é mais exigente, e com isso, procura artigos personalizados e com uma maior durabilidade.

O artesanato é uma atividade que cruzou os anos, e, hoje, faz-se agente de transformação na vida das pessoas que trabalham e o consomem. A preocupação com o meio ambiente também enaltece essa prática, como atitude sustentável que promove não somente a preservação da natureza como a preservação da tradição e memória cultural de determinada comunidade.

A PH FIT apoia e promove o trabalho artesanal por acreditar na significação que esse tipo de atividade promove na vida de milhares de pessoas e na inclusão através do exercício laboral e promovedor de renda e qualidade de vida.

Referências:
Programa de Artesanato Brasil: http://www.smpe.gov.br/assuntos/programa-do-artesanato-brasileiro

SEBRAE: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae

UEL: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/projetica/article/view/12303

mar 9, 2016

PH FIT – O laço e a (re)significação na Páscoa

Laço e significado na Páscoa

A Páscoa é a próxima festa relevante no calendário ocidental, e será realizada 40 dias após o carnaval, trazendo consigo a doçura dos ovos de chocolate. Essa tradição é anterior a época da era cristã: ela era uma festa pagã europeia que celebrava a chegada da primavera, com o florescer de toda a natureza. A simbologia do ovo significa renascimento e fertilidade, contudo o de sabor chocolate apareceu apenas após sua descoberta na América, pois antes disso tal iguaria não fazia parte do cardápio.

Com o contato com os povos astecas, os espanhóis conheceram o cacau, e consequentemente, o chocolate. Somente 200 anos adiante os franceses tiveram a ideia de unir a tradição do renascimento, representada pelos ovos de páscoa, com o chocolate, popularizando-os mundo afora. Hoje, a páscoa e os ovos de chocolate esboçam uma grande movimentação na economia, além da ressignificação do presente, do afeto e da família.

A PH FIT e as novas soluções de laço

A PH FIT define bem a Páscoa: com laços, a páscoa fica bem mais presente. Uma data tão significativa para a nossa cultura, que gera carinho, milhões de empregos e renda a diversas pessoas, não pode passar despercebida, e as fitas de cetim oferecem soluções inovadoras para atender a particularidade de cada projeto de embalagem, sempre priorizando a sensação e experiência que elas levarão ao consumidor.

Desta forma, a empresa busca inovar na concepção do design que envolve o processo de planejamento da embalagem, especialmente dos ovos de páscoa. Uma inovação são o uso de cordões, transportando para o novo e para uma experiência única. Sair do lugar comum é a proposta da PH FIT, que propõe o uso dos cordões com ponteira como laços nos ovos da Garoto, dando-lhes a versatilidade de se transformarem em alças de sacolas. É pensar em soluções que vão além do produto específico e podem ser aplicados no dia a dia.

Outra solução são as fitas personalizadas, como a embalagem que a Cacau Show oferece a seus clientes, sempre com uma atenção especial ao consumidor.